Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas

O Hospital de Campanha Dr. Celso Tavares passa a integrar a partir desta sexta-feira (22) a rede pública hospitalar no combate ao coronavírus no estado. Com 150 leitos clínicos, a unidade hospitalar instalada no Centro de Convenções, em Jaraguá, atenderá em tempo integral. Mais de 450 profissionais de saúde se revezam no atendimento exclusivo a pacientes com Covid-19. 

Assim como o Hospital da Mulher e o Hospital Metropolitano, o Hospital de Campanha Dr. Celso Tavares é uma unidade de “portas fechadas”, ou seja, recebe o paciente já regulado pelas portas de entradas – postos de saúde, clínicas sentinelas, Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) ou pelas centrais de triagem de síndromes gripais no Trapiche e no Benedito Bentes –, que os direcionam para esses hospitais conforme avaliação médica criteriosa.

Márcio Ferreira

“A gente tem se esforçado ao máximo para entregar novos leitos nesse momento de pandemia e o hospital é muito representativo para a rede de saúde de Alagoas. Dentre os 150 leitos clínicos, teremos quatro intermediários, com respiradores, caso haja algum agravamento. Se o paciente precisar de um leito de maior complexidade, ele será transferido para outro hospital”, salientou o governador. 

 

Renan Filho aproveitou para reforçar a importância do isolamento social e da colaboração da população nesse momento em que é preciso evitar a contaminação pelo novo coronavírus e a superlotação do hospitais. 

 

O governador informou, ainda, que neste final de semana o Estado chegará aos mil leitos destinados a pacientes infectados pela Covid-19 com a abertura de mais 60 leitos clínicos em Campo Alegre, e que novos leitos serão abertos em todo o estado nas próximas semanas, incluindo o Hospital Regional do Norte, em Porto Calvo, em junho.

 Márcio Ferreira

“Amanhã abriremos 60 leitos clínicos em Campo Alegre e chegaremos a mil leitos destinados à Covid-19 em Alagoas. Na terça-feira começaremos a construção do hospital de campanha de Arapiraca, também com 60 leitos, dando sequência ao trabalho que o Governo está fazendo. Além disso, teremos leitos novos em Atalaia, Capela, Penedo, Palmeira dos Índios, Santana do Ipanema, São Miguel dos Campos. Teremos ainda cerca de novos 150 leitos com a entrega, em definitivo, do Hospital Regional do Norte, em Porto Calvo, próximo dia 20 de junho. Mas volto a dizer, é fundamental que o cidadão colabore. Ninguém gostaria de estar vivendo esse momento. Está sendo difícil para todo mundo e especialmente difícil para mim, que estou tendo que tomar decisões muito complexas e nada simples”, afirmou.

 

O secretário Alexandre Ayres afirma que é fundamental o tratamento humanizado com os pacientes e famílias dos pacientes neste momento em que não é possível o contato por meio de visitas, gerando ansiedade sobretudo nas famílias que querem informações sobre seus familiares, buscando proporcionar mais segurança ao cidadão.

 

“Na entrada do hospital teremos um espaço chamado Espaço da Família, que terá uma televisão e os familiares terão contato visual com seus parentes. Os enfermeiros e técnicos de enfermagem terão tablets circulando nos leitos, com horário marcado, para que os pacientes que estejam internados possam dialogar virtualmente com seus familiares. Essa é mais uma medida de humanização que criamos aqui nos hospitais de Alagoas, no Hospital Metropolitano já está funcionando e irá funcionar no Hospital de Campanha, no Hospital da Mulher e também nos outros hospitais onde temos leitos contratualizados, para que a gente possa acalmar o familiar que está em casa”, explicou.

Márcio Ferreira

O governador reiterou que segue cobrando os 30 respiradores prometidos pelo governo federal e destaca a empenho do Estado na corrida contra o tempo para equipar leitos de UTI por conta própria.

 

“Eu não vou me envergonhar em cobrar, porque eu não estou fazendo cobrança para mim, eu estou fazendo cobrança para o povo de Alagoas. Eu ligo diariamente para a secretária do ministro da Saúde para cobrar os respiradores que nos foram prometidos. Alagoas precisa desses respiradores. Antes da pandemia nós tínhamos 180 leitos de UTI, hoje temos 387, mais que dobramos. Abrimos 207 novas UTIs para a Covid-19”, disse Renan Filho.

 

Celso Tavares – Médico infectologista que faleceu em fevereiro de 2020. Doutor em Ciências pelo Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães (CPqAM/FIOCRUZ) e Mestre em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP), Celso Tavares era professor aposentado da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), assessor técnico em Doenças Infeciosas e Parasitárias da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), coordenador-geral de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde de Maceió (SMS) e membro da Câmara Técnica de Infectologia do Conselho Regional de Medicina.

Do total de 262 óbitos registrados em Alagoas por Covid-19, dezoito vítimas não apresentavam comorbidades. O número equivale a 6,87% dos pacientes. É o que mostra o boletim desta quinta-feira (21) emitido diariamente pelo Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde de Alagoas (CIEVS/AL).

O dado reforça o alerta de que ninguém está imune à doença errática. Não é preciso integrar os grupos de risco – faixa etária acima de 60 anos ou histórico de patologias diversas, como diabetes, hipertensão arterial e disfunção renal, entre outras – para ser alvo letal do ataque invisível do novo coronavírus.

“Não há como afirmar com certeza o porquê dos jovens estarem sendo acometidos pelas formas graves, e até indo a óbito pelo novo coronavírus, visto que se trata de uma doença nova cuja fisiolatologia – ou seja, as alterações que ela provoca no organismo humano – ainda não estão elucidadas”, explica a Dra. Marília Magalhães, especialista em Emergência do Hospital Escola Dr. Helvio Auto. 

O CIEVS esclarece que, apesar dos boletins diários trazerem uma taxa percentual mais elevada nos últimos dias – com aproximadamente de 35% das pessoas que vieram a óbito sem apresentar doenças prévias –, os dados enviados no primeiro momento são revisados posteriormente pelas unidades hospitalares. Após a devida correção, o índice real tende a diminuir, mas o fato não minimiza a preocupação.

Faixa etária

Outro equívoco comum associado aos riscos da pandemia reside na ideia de que os jovens seriam mais imunes à doença. Engano fatal. Os números mostram outra realidade. Em Alagoas, o maior índice de contaminação se encontra nas pessoas com idade entre 30 e 49 anos. Dos 4.916 casos confirmados no estado, 45,7% estão nessa faixa etária. 2.241 indivíduos contaminados. É quase a metade.

Ao ampliar a estatística para o espectro entre 0 e 49 anos, o número chega a 3.015 casos, com o percentual a ultrapassar a marca dos 60%. “O que podemos pensar é que pacientes jovens e previamente saudáveis que desenvolvem formas graves tenham sido expostos a uma carga viral muito elevada, tenham alguma predisposição genética para a doença, alguma comorbidade prévia desconhecida ou algum comprometimento do sistema imunológico anterior, do qual também não se sabia”, avalia a médica.

Independentemente de apresentar ou não comorbidade, 56 pessoas entre 0 e 49 anos já perderam a vida por Covid-19 no estado em apenas dois meses de pandemia. Um percentual de 21,3% do índice total de óbitos. “Tendo isto em mente, não há nenhum indivíduo com risco nulo para a contaminação e desenvolvimento da doença, seja ela leve, moderada ou grave, sendo imprescindível o reforço do distanciamento social para aqueles que podem ficar em casa”, orienta a doutora Marília Magalhães.

Até ontem, havia mais de 296 mil casos confirmados de coronavírus no Brasil. Levando em conta as subnotificações e o fato de que o país é um dos que menos testa no mundo, pode haver um número até 16 vezes maior de pessoas infectadas em território nacional, de acordo com projeção desenvolvida pela Universidade de São Paulo.

Esta condição e seus desdobramentos ainda estão começando a mostrar sua potencialidade, caminhando silenciosamente pelo país, mas como devemos proceder diante de um quadro de saúde já debilitado ou crônico? Para abordar este cenário esclarecendo em especial a condição do fumante no Brasil, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal) convidou um especialista para dialogar sobre a temática.

O pró-reitor de ensino e graduação da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal), George Souza, desenvolveu estudos sobre os efeitos da reabilitação cárdio-pulmonar nas doenças do aparelho cardiocirculatório. Além disso, dentro da Uncisal, coordena um projeto de extensão específico para a prevenção da dependência da nicotina.

O pesquisador inicia apontando que o tabagismo é uma condição grave no organismo humano, pois ocasiona em torno de 55 doenças chamadas de doenças tabaco relacionadas, demonstrando que o cigarro é um fator determinante no desenvolvimento de doenças crônicas e por isso, em tempos de pandemia, os cuidados devem ser intensificados.

O docente afirma que hoje em torno de 12 a 16% da população ainda fuma, o que é um número grande de pessoas tabagistas. Isto transforma a dependência numa luta que deve ser diariamente combatida: “O cigarro é a maior causa de morte evitável no mundo dispondo de um impacto social e na saúde muito grande, é um tema sempre atual”, frisa o professor. Somando estes fatores as circunstâncias da Covid-19, o grupo fumante deve considerar seriamente em não só redobrar os cuidados, como parar ou reduzir o consumo de nicotina.

George Souza afirma que o perfil epidemiológico do coronavírus no mundo já está traçado: atinge mais idosos, portadores de doenças crônicas, neste último caso especialmente os cardiopatas. Sabe-se que a hipertensão é uma das doenças tabaco relacionadas, e a primeira função que altera no tabagista é a pressão arterial. Os vasos ficam mais rígidos e perdem a capacidade de acomodação do sangue, então a pressão arterial aumenta.

“O cigarro é sem dúvida nenhuma um fator de risco para a mortalidade e para a gravidade do coronavírus”, pontua o doutor em medicina interna e terapêutica. Ele explica que isto é verificado principalmente pelas doenças respiratórias crônicas e doenças cardiovasculares crônicas, entre elas a hipertensão arterial que é um fator nocivo aos portadores da covid-19. Portanto a prevenção e os cuidados realizados para este público envolvem suspender o uso da nicotina.

Ele destaca que a dependência do cigarro pode ser analisada em dois contextos: a psicológica, pelo hábito de acender um cigarro várias vezes ao dia e isso criar uma rotina; e a dependência física da nicotina, que libera substâncias no cérebro que dão sensações de prazer, como serotonina e dopamina. No entanto, mesmo neste cenário difícil George Souza enfatiza que a melhor opção é cessar o consumo:

O principal cuidado ao enfrentar o coronavírus nesses casos é acabar com o tabagismo, além do impacto na saúde que é irreparável porque as doenças ocasionadas são, em sua maioria, crônicas, o cigarro também tem um impacto financeiro muito grande”, alerta o docente. O Pró-reitor aborda que a qualidade de vida do indivíduo cai drasticamente com o uso contínuo da nicotina por conta da saúde debilitada, mas que o lado financeiro também é prejudicado.

“Imagina uma pessoa fumando um maço de cigarros por dia gastando aí 6 ou 7 reais durante 30 anos, isso para quem fuma um maço, nós tivemos pacientes que fumavam 90 ou até 120 cigarros por dia”, complementa o estudioso.  O especialista menciona que para a maioria das pessoas o vício consegue ser combatido sozinho numa tomada de decisão. O problema é que algumas delas não conseguem sair do vício nesta condição solo.

É neste sentido que o projeto de extensão PrevFumo atua, o programa existe desde 2005 na Uncisal e é coordenado pelo professor George Souza. O PrevFumo realiza um acompanhamento de aproximadamente dois meses dos pacientes com reuniões em grupo e se necessário, faz reposições de nicotina por meio de adesivos. Todo o tratamento é disponibilizado gratuitamente.

Prevenção ao tabagismo em tempos de Covid-19

Hoje, mesmo em tempos difíceis enfrentando um vírus desconhecido, o professor George Souza acredita que esta é uma oportunidade importante para educar as pessoas sobre o tabagismo.

Ele cita que a Covid-19 está mudando os hábitos de vida no mundo e que teremos uma nova configuração no contexto societário para se adequar a esta realidade. Isto acaba se tornando uma preocupação maior para os tabagistas, por que o grupo sofre grandes riscos diante da pandemia e vai demandar essa transformação social, diz o pesquisador.

“Nós vamos ter um redesenho dos modos de higiene e de saúde no mundo inteiro, então é uma oportunidade sim para que os fumantes parem nesse momento”, cita o doutor em medicina interna e terapêutica.

Ele reflete que não somente parar com a nicotina é significativo, manter hábitos saudáveis ajuda igualmente corpo e mente a alcançarem qualidade de vida e saúde. Uma alimentação rica em nutrientes irá fornecer anticorpos e imunização importantes para resistir nesse período tão necessário. Além disso, se exercitar regularmente não será benéfico somente para o corpo, segundo o pesquisador a atividade libera substâncias que fornecem sensações de prazer e são enviadas ao cérebro.

“O exercício físico além de ser saudável para o condicionamento cardiovascular e pulmonar também ajuda a diminuir a ansiedade e depressão”, cita o acadêmico. O único obstáculo a ser combatido é inovar e conseguir realizar os treinos em casa.

Visando dar celeridade aos processos em trâmite na Secretaria da Fazenda de Alagoas (Sefaz-AL), foi publicada, nesta quinta-feira (21), uma Instrução Normativa (IN) no Diário Oficial do Estado (DOE), que regulamenta a realização, por videoconferência, das sessões de julgamento do Conselho Tributário Estadual (CTE). A iniciativa ocorre devido a impossibilidade da reunião presencial das Câmaras e do Pleno, em decorrência das medidas de isolamento no combate ao novo coronavírus.

Nas sessões de julgamento por videoconferência, será garantido o acesso integral e a participação aos representantes da Procuradoria Geral do Estado (PGE), da Fazenda Estadual e do sujeito passivo, que deve solicitar sua habilitação para acompanhar a sessão respeitando um prazo de até três dias úteis anteriores à data do julgamento.

“Nós iremos utilizar o mesmo aplicativo que o Supremo Tribunal Federal tem usado para realizar suas sessões e estamos treinando nossos integrantes quanto ao manejo da ferramenta de vídeo e também do armazenamento em nuvem, para que obtenhamos o melhor desempenho nesse novo desafio”, explica o presidente do CTE, o auditor fiscal Ronaldo Carlos.

Em caso de solicitação para fazer sustentação oral, o requerente deve encaminhar e-mail para os seguintes endereços eletrônicos, atentando para a conformidade dos casos: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo." target="_blank" style="color: #1155cc; font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: small;">cteaudienciaprimeiracamEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. para processos pautados para julgamento na Primeira Câmara; Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo." target="_blank" style="color: #1155cc; font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: small;">cteaudienciasegundacamEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. para processos pautados para julgamento na Segunda Câmara e Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo." target="_blank" style="color: #1155cc; font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: small;">Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..gov.br  para processos pautados para julgamento no Pleno.

O e-mail deverá conter o pedido para a habilitação da sustentação oral, identificando o número do processo, o número do Auto de Infração, o nome do autuado, a data da sessão de julgamento e a Câmara que irá julgar o processo; o documento de identificação do solicitante e o documento de comprovação da legitimidade de representação em relação ao autuado; além da procuração, caso seja representante legal do autuado. Esta, deve conter o documento de identificação do outorgante e do outorgado como também um documento que comprove a legitimidade de representação do outorgante da procuração.

Os processos administrativos tributários físicos, submetidos a julgamento por videoconferência, serão digitalizados e disponibilizados aos Julgadores, Representantes Fiscais e Procuradores do Estado. O processo digitalizado também será disponibilizado ao sujeito passivo ou seu representante legal.

A íntegra da IN que determina as diretrizes de realização dos julgamentos via videoconferência pode ser conferida no Diário Oficial.  

A fiscalização da Polícia Militar que verifica o cumprimento ao Decreto de Situação de Emergência  do Governo de Alagoas registrou 45 ocorrências nessa quarta-feira (20). A ação voltada para o enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19) compreende as áreas do Comando de Policiamento da Capital (CPC), abrangendo a Região Metropolitana de Maceió, e do 3º Batalhão de Polícia Militar (BPM), no Agreste do Estado.

Atividades esportivas e de aglomeração em áreas públicas estão entre os casos mais registrados, 21 ocorrências. 620 militares, divididos em 216 viaturas, foram empregados nas ações de fiscalização desenvolvidas pelas guarnições de serviço ordinário e do Programa Força Tarefa.

Incidência por tipos de enquadramento de ocorrência:

1º BPM (Maceió: Pontal da Barra, Trapiche da Barra, Vergel do Lago, Levada, Centro, Ponta da Terra, Poço, Pajuçara, Mangabeiras, Ponta Verde, Jatiúca e Jaraguá):

- Três flagrantes de funcionamento irregular de bares, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos congêneres;

- Dois flagrantes de descumprimento no segmento lojas ou estabelecimentos que pratiquem o comércio ou prestem serviços de natureza privada;

- Um flagrante de atividade esportiva e/ou aglomeração em área pública.

4º BPM (Maceió: Farol, Pitanguinha, Gruta de Lourdes, Santo Amaro, Chã da Jaqueira, Clima Bom, Chã de Bebedouro, Bebedouro, Mutange, Pinheiro, Jardim Petrópolis, Petrópolis, Santa Amélia e parte do Tabuleiro do Martins):

- Três flagrantes de funcionamento irregular de academias, clubes, centros de ginástica e estabelecimentos similares;

- Sete flagrantes de atividade esportiva e/ou aglomeração em área pública.

5º BPM (Maceió: Canaã, Ouro Preto, Antares, Santa Lúcia, Benedito Bentes e partes do Tabuleiro do Martins e Cidade Universitária):

- Cinco flagrantes de funcionamento irregular do ramo de bares, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos congêneres;

- Um flagrante de funcionamento irregular de templos, igrejas e demais instituições religiosas;

- Dois flagrantes de academias, clubes, centros de ginástica e estabelecimentos similares;

- Seis flagrantes de atividade esportiva e/ou aglomeração em área pública.

BPE (Maceió: Cruz das Almas, São Jorge, Barro Duro, Serraria, Jacintinho e Jacarecica):

- Dois flagrantes de funcionamento irregular do ramo de bares, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos congêneres;

- Um flagrante de funcionamento irregular de templos, igrejas e demais instituições religiosas;

- Um flagrante de descumprimento no segmento lojas ou estabelecimentos que pratiquem o comércio ou prestem serviços de natureza privada;

- Um flagrante de atividade esportiva e/ou aglomeração em área pública.

8º BPM (cidades de Rio Largo, Coqueiro Seco, Satuba, Santa Luzia do Norte e Pilar):

- Um flagrante de funcionamento irregular do ramo de bares, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos congêneres;

5ª CPM/I (municípios de Marechal Deodoro e Barra de São Miguel):

- Dois flagrantes de atividade esportiva e/ou aglomeração em área pública.

3º BPM (cidades de Arapiraca, Girau do Ponciano, Taquarana, Campo Grande, Olho D’Água Grande, Jaramataia, Junqueiro, Feira Grande, Traipú, Lagoa da Canoa, Teotônio Vilela, São Sebastião, Limoeiro de Anadia, Coité do Nóia e Craíbas):

- Dois flagrantes de funcionamento irregular de bares, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos congêneres;

- Quatro flagrantes de atividade esportiva e/ou aglomeração em área pública.

A Comissão externa para ações preventivas ao coronavírus da Câmara Federal realizou reunião técnica sobre o panorama da pandemia no Brasil, em formato de audiência pública, na quarta (20), por teleconferência.

O Comitê Científico do Consórcio de Governadores do Nordeste (C4NE) foi representado pelo professor Fábio Guedes Gomes, que preside a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal) e o Conselho Nacional das Faps (Confap). Na ocasião, ele apresentou aos deputados federais os dados utilizados na reunião mais recente do C4NE com os governantes dos nove estados.

“Não somos um comitê que está fazendo pesquisa, nem elaborando dados primários, necessariamente. Estamos tentando entender a dinâmica da pandemia no Nordeste para auxiliar os governadores sobre a melhor maneira em que eles podem atuar em várias frentes”, declarou o gestor.

Fábio Guedes definiu a pandemia como um problema interdisciplinar, com prioridade nas áreas médica e biológica, apresentando dados sobre o espraiamento do vírus nos estados do Nordeste, com gráficos que deixam clara a tendência de movimento a partir do litoral, das capitais para o interior: Em 24 de abril havia 400 municípios infectados na região; em 11 de maio, já eram 1005.

Os deputados também convidaram para a audiência pública Wanderson de Oliveira, secretário nacional de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, desde a gestão Mandetta; Leonardo Vilela, consultor técnico do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde Conas e Natália Pasternak, bióloga do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo.

A audiência pode ser assistida no canal da Câmara Federal no Youtube. O C4NE publica os boletins semanais de recomendações aos governadores em seu site oficial.


A Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris) realizou, nesta quarta-feira (20), a entrega de máscaras de acrílico (face shields) para os policiais penais que atuam no sistema prisional alagoano. O material vai reforçar as medidas de combate à pandemia do novo coronavírus. Ao todo, já foram distribuídas 200 face shields entre os profissionais que atuam nas unidades do complexo penitenciário de Maceió. Outras 400 unidades já foram adquiridas pela Seris e serão entregues nos próximos dias.

Segundo o chefe especial de Gestão Penitenciária, policial penal Milton Pereira, a distribuição deste equipamento de proteção individual (EPI) reforça a preocupação da Seris com a segurança do servidor. “Esta ação é importantíssima porque busca resguardar a atuação do policial penal no enfrentamento à Covid-19, proporcionando-lhe mais segurança durante a jornada de trabalho”, destacou o gestor. 

Além da distribuição das máscaras de acrílico, a Seris também atua em outras frentes na prevenção à Covid-19, a exemplo da fabricação e distribuição de máscaras de proteção entre os servidores. Já com o trabalho desenvolvido pelos reeducandos na oficina de saneantes, a secretaria vem abastecendo todas as unidades prisionais com produtos de limpeza como detergente, cloro e sabão em barra.

Há, ainda, o processo de desinfecção feito por empresa especializada em todo o sistema prisional. A Gerência de Saúde presta assistência a servidores e custodiados, realizando testes rápidos para a detecção do novo coronavírus e conscientização sobre a importância do isolamento social e de práticas corretas de higienização.

O atendimento aos pacientes com suspeita ou infectados pelo novo coronavírus em Arapiraca e cidades do Agreste continua recebendo investimentos do Governo de Alagoas. Esta semana, o Hospital de Emergência do Agreste (HEA), vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), abriu mais dez novos leitos, sendo cinco de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) e cinco clínicos.

Com isso, o hospital passa a ter uma estrutura com 37 leitos para internar pacientes com suspeita ou confirmação de Covid-19. Do total, são 12 leitos de UTI e 25 leitos clínicos.

A previsão da gerente-geral do HE do Agreste, Bárbara Fernanda Albuquerque, é de que sejam implantados mais leitos ainda na próxima semana para reforçar o atendimento em toda a região.

Capacitações – Por meio do Núcleo de Educação Permanente (NEP), o hospital prosseguiu com os treinamentos presenciais, como também com os cursos online para as equipes que trabalham diretamente nos leitos de Covid-19.

As capacitações foram iniciadas há duas semanas e contam com o apoio do Grupo de Trabalho de Humanização (GTH), da gerência-geral e de todas as coordenações setoriais do HE do Agreste.

Dessa vez, as atividades começaram na segunda-feira (18) e foram encerradas na quarta-feira (20). Ao todo, foram formadas quatro turmas de médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas e técnicos de apoio administrativo que atuam com os pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Nos três dias de treinamentos foram abordados, de forma didática, o método MOT para a paramentação e a sequência correta do uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), a exemplo de máscaras, óculos, luvas, toucas cirúrgicas, entre outros.

Segundo explica o enfermeiro Jean Marinho, que é coordenador dos treinamentos e do Núcleo de Educação Permanente (NEP), nas capacitações também foi abordado o método TOM, que é voltado para os procedimentos corretos de desparamentação e retirada dos equipamentos, a fim de evitar a contaminação pelo vírus.

Os profissionais de saúde também trocaram informações acerca dos protocolos para a Covid-19, bem como sobre os procedimentos para intubação orotraqueal em sequência rápida.