Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Terça, 26 Janeiro 2016 18:33

Educação garante futuro melhor para reeducandos do Sistema Prisional Alagoano

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Secretaria da Ressocialização ampliou oferta de vagas para que mais reeducandos retomem os estudos. Secretaria da Ressocialização ampliou oferta de vagas para que mais reeducandos retomem os estudos. (Foto: Victor Costa)

A educação é um vetor fundamental para a construção de um futuro digno para qualquer cidadão. No Sistema Prisional de Alagoas, o acesso ao conhecimento tem um papel ainda mais relevante, ao propiciar condições de reintegração dos reeducandos no meio social. Com boa formação, o custodiado pode buscar trabalho, sustentar a família e transmitir valores para os filhos.

Ciente dessa importância, a Gerência de Educação da Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris) investe cada vez mais na conscientização sobre a importância dos estudos, além de ampliar a oferta de vagas para que os reeducandos ingressem nos ensinos Fundamental, Médio e até Superior dentro das unidades prisionais.

Atualmente, quatro custodiados têm aula de graduação na modalidade Ensino à Distância (EAD) no Núcleo Ressocializador da Capital (NRC). Entretanto, esse número deverá aumentar nos próximos dias. Isso porque seis reeducandos, sendo três do NRC, um do Presídio Cyridião Durval e uma do Santa Luzia, obtiveram média para inscrição no Prouni 2016 - Universidade Para Todos - e aguardam a conclusão do processo.

Além dos candidatos aprovados no Sisu, outros seis custodiados, que também fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade (Enem/PLL), em dezembro de 2015, conseguiram o certificado de conclusão do Ensino Médio. A aplicação dos exames foi possível graças à parceria da Seris com a Secretaria da Educação e Ufal. Mais de 150 custodiados participaram dos dois dias de prova.

De acordo com o assessor-técnico de Ensino, Cultura e Esporte da Seris, Maurício de Oliveira, os projetos desenvolvidos pelos servidores penitenciários, sobretudo da Escola Paulo Jorge, e as parcerias firmadas pela Ressocialização foram essenciais para a transmissão do conhecimento. “Realizamos palestras motivacionais e fizemos intensivões com professores da Universidade. O resultado é inédito: temos seis aprovados no Prouni”, fala.

Para o reeducando aprovado no Prouni, Alexandre Araújo, há 20 anos sem estudar, estudar no presídio com o financiamento do Governo Federal representa o primeiro passo para concretizar um sonho: ingressar na carreira jurídica. “As psicólogas do Sistema incentivaram bastante. Desde que cheguei no NRC passei a frequentar mais as aulas e aprofundar as pesquisas na biblioteca. A oportunidade surgiu agora e eu aproveitei”, afirma.

O apenado lembra ainda que é necessário ter fé para quebrar paradigmas e dar a volta por cima. “Estou traçando minhas metas e se Deus quiser realizarei meu objetivo. Quando alguém acredita em você, mesmo numa situação difícil há esperança. A educação abre possibilidades, estou focado e até aprendi a fazer poesia. O passado não poderei mudar, mas meu futuro será diferente. Eu vou sair daqui e quando sair serei advogado”, concluiu.

Victor Costa