Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Quarta, 19 Fevereiro 2020 15:00
AÇÃO SOCIAL

Cerca de 40 toneladas de alimentos apreendidos são doados a instituições sociais

Entrega aconteceu nesta quarta-feira (19), no depósito da Secretaria da Fazenda, em Arapiraca

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Produtos são distribuídos às 32 instituições cadastradas na campanha Nota Fiscal Cidadã Produtos são distribuídos às 32 instituições cadastradas na campanha Nota Fiscal Cidadã Ivo Neto
Texto de Tatyane Barbosa e Janaina Ribeiro

A Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) e o Grupo de Atuação Especial em Sonegação Fiscal e Lavagem de Bens (Gaesf), do Ministério Público Estadual, doaram cerca de 40 toneladas de alimentos que foram apreendidos administrativamente na operação “Senhor do Sol”, desencadeada em dezembro do ano passado, para combater o crime de sonegação fiscal em Arapiraca. A entrega aconteceu nesta quarta-feira (19) no depósito da Sefaz, em Arapiraca.

Dentre os produtos estão pacotes de arroz, feijão, açúcar, farinha, flocos de milho e charque, além de material de limpeza. Esses itens beneficiaram 32 instituições sociais, cadastradas na Nota Fiscal Cidadã (NFC), que exercem suas atividades nos municípios de Maceió, Arapiraca, Santana do Ipanema e Delmiro Gouveia. No total, há 102 entidades sem fins lucrativos participantes da campanha distribuídas por toda Alagoas, sendo 30% situadas no interior.

De acordo com a chefe de Educação Fiscal da Sefaz, Glacia Tavares, os donativos contribuem com o trabalho de inclusão social pelos sorteios que a NFC tem desenvolvido, que assegura o sustento dessas entidades e proporciona melhores condições aos assistidos.

“A ação de hoje garante um sossego, por alguns meses, no fornecimento do almoço e jantar feitos pelas instituições contempladas. A escolha dos beneficiados se deu justamente por aqueles que trabalham fornecendo alimentos às pessoas em vulnerabilidade social. Realizamos a entrega em Arapiraca por ser a cidade onde aconteceu a operação em questão”, destaca.

A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Arapiraca foi uma das contempladas nesta doação. A entidade oferece diariamente duas refeições aos usuários, por meio do projeto "Prato Solidário". Fora Arapiraca, a associação as cidades de Olho D'Água Grande, Campo Grande, Feira Grande, Lagoa da Canoa, Maribondo, Tanque D'Arca, Belém, Igaci e Palmeira dos Índios.

“Os alimentos recebidos irão ajudar na distribuição gratuita de comida para os nossos pacientes e acompanhantes, principalmente aqueles que passam o dia na instituição no aguardo dos atendimentos. Estamos muito felizes com essa ação social e já formulando o cardápio de amanhã com os donativos recebidos hoje”, explica a assistente social da Apae Arapiraca, Mariana Barbosa.

A assistente social comenta que a NFC surgiu em um momento muito oportuno, como a esperança para executar projetos que não seriam possíveis sem a ajuda da campanha, além de destacar a sensibilização que acontece entre amigos e familiares que visualizam as ações realizadas, comprovando a veracidade tanto do projeto da Sefaz, quanto das entidades sem fins lucrativos participantes.

Cumprimento de mandado

Também nesta quarta-feira (19) mais um mandado de busca e apreensão foi cumprido como desdobramento da operação Senhor do Sol, que foi deflagrada em Arapiraca pelo Gaesf, em conjunto com a Sefaz e outros órgãos de segurança, no dia 10 de dezembro de 2019, visando desbaratar uma organização criminosa (Orcrim) envolvida, dentre outros ilícitos penais, em sonegação fiscal, lavagem, corrupção funcional e crimes de falsidades.

Na ação desta quarta, que contou com o apoio do 3º Batalhão da Polícia Militar, o alvo foi um prédio onde três dos envolvidos na operação possuem salas comerciais. Foram recolhidos vários documentos e arquivos digitais que servirão para reforçar as provas contra os acusados.

Segundo o Gaesf, o débito tributário do grupo criminoso, apelidado de “Poder Divino”, ocasionou um prejuízo aos cofres do Estado de cerca de R$ 108 milhões. Tal montante foi calculado após levantamento realizado pela Sefaz em diversas maquiagens fiscais, abertura de empresas de fachada e a inserção de “laranjas” e “testas de ferro” que ficavam responsáveis pela dívida tributária, blindando os chefes da organização.

Na ocasião, foram cumpridos mais de 150 mandados de busca e apreensão e prisão. Os principais alvos do bando foram presos, incluindo o responsável contábil que montou o esquema de fraudes para diversas empresas. O Gaesf já ofertou denúncia contra os acusados pelo esquema contábil, estando, agora, em fase de encerramento das ações penais que envolvem os demais membros da Orcrim.

No dia da operação foram apreendidos veículos, celulares, computadores e cerca de R$ 800 mil em dinheiro e cheques. A Operação Senhor do Sol contou com o envolvimento de aproximadamente 400 pessoas, profissionais ligados ao próprio Gaesf, à Sefaz e às Polícias Civil e Militar.