Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Sexta, 09 Agosto 2019 14:32
INOVAÇÃO

Hospital de Emergência do Agreste passa a oferecer serviço de hemodiálise

Além de duas máquinas de diálise, foram instaladas duas de hosmose

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
O Serviço de Hemodiálise conta com quatro equipamentos, sendo dois de diálise e dois de osmose O Serviço de Hemodiálise conta com quatro equipamentos, sendo dois de diálise e dois de osmose Foto: Davi Salsa
Texto de Davi Salsa

Assim como o Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió, o Hospital de Emergência do Agreste, em Arapiraca, conta agora com um Serviço de Hemodiálise para atender exclusivamente os pacientes com traumas e politraumas. Por meio do novo serviço, a unidade reforça sua autonomia para promover a recuperação mais rápida e com qualidade dos usuários de 46 municípios do Agreste, Sertão e Baixo São Francisco.

Vinculado à rede de hospitais públicos mantidos pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), o Serviço de Hemodiálise conta com quatro equipamentos, sendo dois de diálise e dois de osmose. A estrutura foi instalada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e no Setor de Internação.

Antes do funcionamento, a gerente-geral do Hospital de Emergência do Agreste, médica Regiluce Santos, garantiu a presença da enfermeira Andréa Loureiro, representante da indústria fabricante dos aparelhos, para a realização de treinamento com a equipe do hospital, incluindo também o coordenador do Serviço de Hemodiálise, enfermeiro Andervan Leão.

Durante a capacitação, Andréa Loureiro explicou que os equipamentos são os mais modernos disponíveis atualmente no mercado. Com a implantação do serviço, os acidentados graves, que tiverem problemas renais, não mais serão deslocados para hospitais contratualizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Médico Warlysson Tenório diz que Serviço de Hemodiálise vai atender pacientes que sofreram choques pós-sangramento (Foto: Davi Salsa)

O nefrologista do Hospital de Emergência do Agreste, Warlysson Tenório, disse que a implantação dos equipamentos de osmose e diálise se encaixa, perfeitamente, para os casos dos pacientes que apresentam politraumas e choques pós-sangramento com risco de infecção generalizada. 

Ainda de acordo com o médico, os rins são muito agredidos, nesses casos, e o prognóstico do paciente piora consideravelmente, ficando muito dependente da hemodiálise para que o quadro seja invertido. “A partir de agora, o hospital terá o suporte necessário para o reforço no tratamento, melhora e restabelecimento mais rápido da saúde dos pacientes”, destacou Warlysson Tenório.