Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Quinta, 21 Março 2019 14:40
IGUALDADE

Mesa redonda debate políticas públicas no Dia pela Eliminação da Discriminação Racial

Palestrantes abordaram problemas que os negros enfrentam diariamente na sociedade

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Estudantes da Escola Estadual Theonilo gama participaram da mesa redonda promovida pelo Conepir Estudantes da Escola Estadual Theonilo gama participaram da mesa redonda promovida pelo Conepir Fotos: Bruno Levy
Texto de Bruno Levy

Nesta quinta-feira (21), Dia Internacional de Eliminação da Discriminação Racial, o Conselho Estadual de Promoção a Igualdade Racial (Conepir) realizou uma mesa redonda com o tema “Violência e Juventude Negra”, com palestrantes ligados aos direitos humanos e movimentos sociais, promovida na Escola Estadual Professor Theonilo Gama, em Maceió.

Tendo os jovens estudantes como público, os palestrantes retrataram como a juventude negra é tratada no Brasil e no mundo. O superintendente de Políticas para os Direitos Humanos e a Igualdade Racial, Mirabel Alves, destacou o trabalho que a Secretaria de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh) vem fazendo e da importância da garantia dos direitos fundamentais.

“É necessário que haja esse pensamento de igualdade e respeito entre as pessoas. A juventude negra alagoana precisa de políticas públicas e é nisso que a Semudh e o Conepir vêm trabalhando”, disse Mirabel.

Discurso reforçado pelo atual presidente do Conselho e professor da Universidade Estadual de Alagoas (Uneal), Clébio Araújo, que provocou os estudantes com histórias de grandes personagens negros, como Zumbi dos Palmares, e da cultura, como o Saci Pererê. “Precisamos entender o que essa simbologia nos traz. Zumbi era um jovem negro que se rebelou e lutou pelo seu povo. A violência é constante para pretos e pobres. Isso é histórico e precisamos reverter esse quadro”, explanou Clébio.

Mulher na luta

A palestra contou também com a militante do Movimento Levante Popular e graduanda em psicologia pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), que discursou sobre a mulher negra na sociedade e a importância da presença da juventude negra pela busca de seus direitos.

Conselheiros do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Alagoas (Sinteal), Centro de Cultura e Estudos Étnicos Anajô e da Secretaria de Estado de Cultura (Secult) acompanharam o andamento da mesa redonda.