Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Quarta, 30 Janeiro 2019 18:20
inovação

PGE institui Comissão de Inteligência Artificial

Procuradores do Estado acompanham tendência nacional que amplia resultados do trabalho da advocacia pública

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Texto de Alexandre Lino

A Procuradoria-Geral do Estado de Alagoas (PGE) passa a ter uma Comissão de Inteligência Artificial (IA) aplicada à Advocacia Pública. Os Procuradores Luís Vale e Leonardo Barbosa, além do servidor Jean Márcio da Silva, foram designados pelo Procurador-Geral do Estado, Francisco Malaquias, para compor a estrutura que vai planejar estratégias e soluções para expansão dessa tendência global - que envolve também a vida dos operadores do Direito. A ideia é fazer do uso da tecnologia uma aliada ao desempenho do trabalho entregue ao cidadão alagoano. O uso da IA na PGE é essencial para o incremento da arrecadação, economia tempo e recursos.

O Procurador-Geral, Francisco Malaquias, observou que em sua gestão foi implantado o PGE.Net, que facilitou as rotinas dos procuradores, com o uso de um sistema que conta com ferramentas de inteligência artificial no exercício das atividades judiciais. Para ele, essa é uma tendência que vem associada ao crescimento no número de processos e das demandas repetitivas. "Sempre lembro que quando ingressei no serviço público trabalhávamos com máquinas de escrever, depois avançamos para os computadores e hoje estamos vivendo o tempo dos sistemas e aplicativos. Não podemos é parar no tempo", concluiu.

Segundo o procurador Luís Vale, que também coordena o Centro de Estudos da PGE, o Supremo Tribunal Federal e outros Tribunais do país já implementaram projetos pioneiros e da mesma forma a PGE aceitou manter os esforços necessários para a consolidação das ferramentas de IA. "O uso da Inteligência Artificial, no âmbito do Direito, é realidade que não pode mais ser ignorada. Desse modo, a Advocacia Pública Estadual precisa estar na vanguarda das novas tecnologias, a fim de viabilizar uma atuação eficiente e consentânea com a tutela do interesse público", analisou.