Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Quinta, 03 Janeiro 2019 13:47
REDE ACOLHE

Governo assina contratos com comunidades acolhedoras de dependentes químicos

Ação dará continuidade à rede de acolhimento e recuperação de pessoas com transtornos decorrentes do uso abusivo de álcool e outras drogas

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Comunidades acolhedoras credenciadas irão ofertar 750 vagas para acolhimento Comunidades acolhedoras credenciadas irão ofertar 750 vagas para acolhimento Fotos: Vítor Beltrão
Texto de Victor Brasil

O Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev), iniciou o ano de 2019 dando mais um passo para a continuidade da Rede Acolhe – rede estadual de acolhimento de dependentes químicos. Na manhã desta quinta-feira (3), foram assinados os novos contratos com comunidades acolhedoras que irão receber recursos públicos para prestar esse tipo de serviço.

Ao todo, serão ofertadas pelo Estado 750 vagas nas 35 comunidades acolhedoras credenciadas à Rede Acolhe e que deverão seguir os critérios exigidos pelo Edital de Credenciamento, lançado em junho do ano passado.

“A assinatura destes contratos irá possibilitar a continuidade dos serviços de acolhimento prestados pelo Governo de Alagoas, por meio da Rede Acolhe, que beneficiou mais de 15 mil pessoas em todo o Estado nos últimos quatro anos. É um trabalho de referência nacional e que vem auxiliando na recuperação das pessoas que tiveram suas vidas devastadas pelas drogas”, explicou a titular da Seprev, Esvalda Bittencourt.

As vagas serão financiadas por meio do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza (Fecoep). Elas são divididas em quatro modalidades, sendo: Masculino, Feminino, Adolescente Masculino e Adolescente Feminino.

Os contratos assinados nesta quinta-feira têm duração de um ano e prevê a destinação de recursos para as instituições acolhedoras no valor de R$ 33,00 a diária para o sexo masculino e R$ 55,00 para o sexo feminino e adolescentes. Os valores e as vagas são controlados por um sistema biométrico, uma inovação implantada em Alagoas e que já serviu de referência para todo o Brasil.