Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Terça, 11 Dezembro 2018 10:26
REDE DE PROTEÇÃO

Renata Calheiros conhece projetos de proteção às mulheres do Tribunal de Justiça

Primeira-dama destacou a importância do apoio psicossocial às vítimas de violência doméstica

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Primeira-dama foi recebida pela coordenadora da Sala Lilás, Erika Lessa Primeira-dama foi recebida pela coordenadora da Sala Lilás, Erika Lessa Thiago Sampaio
Texto de Iara Malta

A primeira-dama do Estado de Alagoas, Renata Calheiros, visitou, na última sexta-feira (7), a Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ). A Sala Lilás, como é conhecida, coordena todos os juízos e desenvolve projetos de acolhimento às mulheres vítimas de agressão e orientação educativa aos agressores.

 

Para Renata Calheiros, as ações realizadas no âmbito dos três poderes fortalecem a rede de proteção à mulher. “Precisamos das leis e vê-las cumpridas, e nesse trâmite que envolve o Legislativo, Judiciário e o Executivo, é importante que exista o apoio psicossocial e humanizado às vítimas, como acontece aqui, e a exemplo da Patrulha Maria da Penha, ação do Governo do Estado”, disse a primeira-dama.

 

Renata Calheiros estava acompanhada da esposa do presidente do Tribunal, Edjane Praxedes, e foram recebidas pela coordenadora, Erika Lessa. “O Judiciário olha com mais atenção à mulher, diante da desigualdade em que ainda se encontra e de sua vulnerabilidade. Buscamos uma Justiça voltada à mulher, mas pela paz em casa, pensando na família e fazendo assim uma Justiça com modelo cidadão”, disse a coordenadora da Sala Lilás.

 

De acordo com Erika Lessa, para dar esse suporte, que também abarca o homem acusado de agressão, o Tribunal conta com uma equipe multidisciplinar, que funciona no 4ª Juizado da Mulher. “Durante as audiências, são detectados problemas como drogas e alcoolismo e encaminhamos esses homens para tratamento. Além disso, trabalhamos com o acusado no campo educativo, como alternativa para a não reincidência”, explicou.