Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Segunda, 19 Novembro 2018 11:57
AMIGOS DA MULHER

Semudh empossa defensoras da Lei Maria da Penha e reconhece trabalho de municípios

Ação faz parte de campanha mundial liderada pela ONU pela prevenção e eliminação da violência contra mulheres e meninas

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
No ano de 2018, a Semudh realizou uma série de eventos de capacitações para o enfrentamento à violência contra a mulher em municípios alagoanos No ano de 2018, a Semudh realizou uma série de eventos de capacitações para o enfrentamento à violência contra a mulher em municípios alagoanos Ascom Semudh
Texto de Ana Cristina Sampaio

Um verdadeiro exército, formado somente por mulheres moradoras de bairros periféricos de Maceió conscientes de seus direitos e da necessidade de enfrentar a violência doméstica, vai ser formado e empossado pela Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos – Semudh no próximo dia 23 de novembro, a partir das 14h, no auditório da Fundação de Amparo à Pesquisa de Alagoas (Fapeal), no Centro de Maceió. 

 

A posse do Exército Maria da Penha, como é chamada essa rede de enfrentamento à violência doméstica, faz parte das ações dos 16 Dias de Ativismo em Alagoas, campanha mundial liderada pela Organização das Nações Unidas (ONU), a qual ocorre de 20 de novembro a 10 de dezembro como mobilização global pela prevenção e eliminação da violência contra mulheres e meninas. 

 

O Exército Maria da Penha é formado por mulheres que moram nas regiões de Maceió que apresentam o maior índice de violência doméstica, como o Benedito Bentes, Ponta Grossa, Salvador Lyra, Antares, Graciliano Ramos, e Vergel, segundo dados das ocorrências registradas pela Secretaria de Segurança Pública (SSP). Essas voluntárias serão capacitadas pela Semudh para que tenham condições de denunciar casos de violência na região em que moram.

 

Elas também receberão um kit com a identificação do projeto contendo camiseta, mochila, garrafa de água e apito, “mais uma forma de chamar a atenção sobre a necessidade de preparação, de vigilância, de denúncia e de condições de ajuda às mulheres em situação de vulnerabilidade em decorrência da violência dentro de casa”, afirma Dilma Pinheiro, superintendente de Políticas para a Mulher da Semudh. 

 

Líderes Comunitários em ação

 

Líderes comunitários das regiões mapeadas como as mais perigosas para as mulheres também foram convidados para o evento do dia 23 de novembro. O objetivo é tê-los como aliados para que as festas de bairro organizadas pelas associações, igrejas e demais entidades, assim como os centros de saúde coloquem em pauta sempre a necessidade de enfrentamento à violência doméstica. “Acreditamos que, ao colocar sistematicamente o tema “violência contra a mulher” em evidência, ajudamos a enfrentar esse problema de saúde pública tendo as lideranças de bairro como nossos aliados”, disse Dilma, informando ser fundamental a disseminação da informação como aliada nesse debate. 

 

Ao líderes comunitários também serão orientados a encaminhar as mulheres vítimas de violência para o Centro de Atendimento Especializado à Mulher Vítima de Violência (CEAM), vinculado à Semudh e que funciona na Jatiúca com uma equipe multidisciplinar que oferece atendimento jurídico, psicológico, e de assistência social.

 

“A Semudh estará presente nessas regiões de maior violência levando cooperação técnica para que o ‘Exército de Mulheres’ assim como as lideranças comunitárias e religiosas possam estar preparadas e capacitadas nesse enfrentamento ofertando palestras, seminários, rodas de conversa e material informativo sobre a Lei Maria da Penha”, disse a secretária da Mulher e dos Direitos Humanos, Maria José da Silva, ressaltando que a questão da violência doméstica está enraizada na família e é resultado de uma cultura machista que permite que maridos ou companheiros agridam e violentem as mulheres. “A única forma de combater é sensibilizar as instituições que estão mais próximas da família para falar do tema ‘educação para a paz’ e mostrar que a Lei Maria da Penha funciona na prática punindo os agressores”.

 

Municípios Amigos da Mulher

 

Durante o ano de 2018, a Semudh realizou uma série de eventos de capacitações para o enfrentamento à violência contra a mulher em municípios alagoanos que aceitaram ser parceiros nessa luta, especialmente no Agosto Lilás, mês que houve uma maior concentração de eventos com essa temática. Agora, é a vez da Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos reconhecer as cidades que mais se destacaram nesse enfrentamento, inclusive algumas se comprometendo em criar uma secretaria especializada em políticas públicas para as mulheres.

 

Os 10 municípios Amigos da Mulher serão premiados no evento do dia 23 de novembro, recebendo uma menção de destaque no enfrentamento à violência doméstica também como incentivo para que em 2019 essas ações sejam efetivadas e ampliadas. 

 

16 Dias de Ativismo priorizam a Mulher e a Consciência Negra

 

Os 16 Dias de Ativismo, campanha mundial liderada pela ONU, que acontece anualmente de 20 de novembro a 10 de dezembro, tem como objetivo a mobilização global pela prevenção e eliminação da violência contra mulheres e meninas. O Brasil está em 7º lugar no mundo no ranking da violência contra as mulheres. Em Alagoas, essa campanha faz parte do calendário de eventos da Semudh.

 

Com o tema central “Alagoas Unida pelo Fim da Violência Contra a Mulher”, a programação dos 16 Dias de Ativismo terá este ano a inclusão do assunto Consciência Negra.

 

Os eventos começam dia 19 de novembro com uma Roda de Conversa sobre Violência de Gênero contra a Mulher Negra e uma oficina sobre o uso de turbantes, símbolo da cultura negra, com uma ciranda, no assentamento Açucena 3, em União dos Palmares.

 

Já no dia 22, a equipe da Semudh volta ao interior. Desta vez para o Assentamento Rua Nova, em Jequiá da Praia, às 10h, com o tema: Violência de Gênero contra a Mulher Rural e Oficina de Turbante com Ciranda.

 

À noite, às 18h, haverá uma roda de conversa para alunos da UNIT – Universidade Tiradentes, sobre Violência de Gênero contra a Mulher Negra.

 

Dia 23, evento de posse do Exército Maria da penha, reunião com líderes comunitários e entrega do troféu Município Amigo da Mulher, das 14h às 17h, no auditório da Fapeal, Centro.

 

Uma blitz da Mulher no Centro de Maceió será a programação do dia 26 de novembro, em alusão ao Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, comemorado em 25 de novembro.

 

Dia 27 será uma palestra sobre os 16 Dias de Ativismo no combate à violência contra a mulher quilombola, em Japaratinga. No dia 28 palestra sobre o papel da mulher negra na atual conjuntura brasileira no Ifal de Maragogi. E dia 29 de novembro a palestra será em Viçosa falando do combate à violência contra a mulher em seus recortes sociais, e dia 04 em Limoeiro de Anadia.

 

Dia 1 de dezembro, Dia Mundial de Combate à Aids, com evento na Praça Multieventos. Dia 5, os 16 Dias de Ativismo no combate à violência contra a mulher quilombola, em Igreja Nova.

 

No dia 6 de dezembro, Dia da Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência Contra a Mulher, com rodas de conversa em canteiros de obras da construção civil.

 

No dia 7 de dezembro, haverá o Prêmio Alagoas de Direitos Humanos, que terá entre os agraciados pela honraria a capitã da Polícia Militar de Alagoas, Márcia Danielli, pelo trabalho desenvolvido no comando da Patrulha Maria da Penha, que garante o cumprimento de medidas protetivas às mulheres vítimas de violência doméstica.

 

O encerramento dos 16 Dias de Ativismo ocorrerá na Praça Centenário, a partir das 10h, com show musical, oficinas de bonecas e outras atividades culturais.