Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Quarta, 13 Junho 2018 20:00
IDENTIDADE NORDESTINA

Escolas da rede estadual se preparam para as festividades juninas

Festejos abrangem apresentações artísticas e comidas típicas

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Na rede estadual de ensino diversas escolas se preparam para a celebração junina com quadrilhas e comidas típicas Na rede estadual de ensino diversas escolas se preparam para a celebração junina com quadrilhas e comidas típicas (Fotos: José Demétrio e Cortesia Escolas Dom Constantino Luers, Margarida Pugliesi)
Texto de Ana Carolina Lima

Milho, canjica, quentão, fogueira, dança e forró são alguns dos elementos típicos de junho. O São João vem e com ele traz um calor e festividade para o inverno brasileiro, além de um motivo para se reunir com a família e os amigos. Na rede estadual de ensino não é diferente e diversas escolas se preparam para a celebração junina com quadrilhas - a exemplo da Escola Dom Constantino Luers, Humberto Mendes e Professora Maria Margarida Silva Pugliesi – e com comidas típicas, com o milho proveniente da horta da Escola Estadual Teotônio Vilela.

 

Festividades juninas nas escolas / (Fotos: José Demétrio e Cortesia Escolas Dom Constantino Luers, Margarida Pugliesi)

 

Com coreografia do professor e diretor adjunto Ginaldo Santos, a Quadrilha Junina Margarida, da Escola Estadual Profª Maria Margarida Silva Pugliesi, de São Luís do Quitunde, apresenta o tema ‘São João de Todos os Tempos’, com dança tradicional matuta e estilizada.

 

Segundo Santos, os 24 alunos integrantes do projeto da disciplina de Artes ensaiaram durante um mês e meio no pátio da escola, após as aulas do período vespertino. O gestor contou também com a ajuda de mais cinco estudantes de apoio na produção.

 

“O repertório musical conta com canções de Luiz Gonzaga, Alcymar Monteiro, Clemilda, Mastruz com Leite e outros nomes da música regional. O figurino colorido ilustra personagens tradicionais das quadrilhas alagoanas, como a rainha, o rei, príncipe e princesa, o casal de noivos, Lampião, Maria Bonita e toda a população. Os estudantes que participam do projeto trataram os ensaios de forma profissional, já que temos a intenção de apresentar nosso trabalho em diversos lugares, mostrando nosso potencial”, relata.

 

Festividades juninas nas escolas / (Fotos: José Demétrio e Cortesia Escolas Dom Constantino Luers, Margarida Pugliesi)

 

Em seu segundo ano de atividade, a Quadrilha Humberto Mendes, da escola de nome homônimo, conta com 40 integrantes que ensaiaram durante os três meses que antecedem os festejos juninos de Palmeira dos Índios. “Há um envolvimento muito grande, principalmente dos alunos do ensino integral. Os ensaios acontecem na escola, durante a pausa após o almoço”, conta o diretor-geral André Galdino.

 

Como profissionais

 

Na Escola Estadual Dom Constantino Luers, a Quadrilha Coração Alagoano já chama a atenção na cidade de Campo Alegre e também dos municípios vizinhos nos quais foi chamada para se apresentar. Segundo Eliane Tenório, diretora adjunta da unidade, a Coração Alagoano existe somente há dois anos, mas seus integrantes são bastante empenhados nos ensaios, que acontecem na quadra da escola, no horário oposto à aula.

 

“É fascinante ver a dedicação dos estudantes em torno de um assunto tão pertinente à cultura nordestina. Além de terem iniciado a coreografia que apresentam em 2018 desde o ano passado, podemos notar também a paixão que têm de manter forte e presente nos dias de hoje as raízes de nossa região, de nosso Estado”, comenta.

 

Comidas típicas

 

E no São João, as comidas de milho são um item indispensável para a festa. Pensando nisso, pelo terceiro ano consecutivo, a Escola Estadual Teotônio Vilela, no Cepa, plantou milho em sua horta. “Teremos uma grande festa envolvendo toda a comunidade escolar no dia 21 e muitos dos pratos típicos serão preparados com o milho de nossa horta”, adianta o diretor Cássio Costa.

 

Festividades juninas nas escolas / (Fotos: José Demétrio e Cortesia Escolas Dom Constantino Luers, Margarida Pugliesi)

 

A coordenadora Aparecida Ferreira fala sobre como será a festa. “Todas as turmas ficaram encarregadas de mostrar algo diferenciado, enquanto alguns alunos serão responsáveis pela leitura de textos, outros apresentarão raps e paródias com temas juninos. A refeição será produzida aqui na escola e serviremos milho cozido, munguzá, cuscuz – tudo feito com o milho que temos na nossa horta, que, além de servir para a merenda das crianças no dia a dia, serve para dar dinamicidade às aulas”, informa.