Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Sexta, 11 Maio 2018 12:42
EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA

Cresce número de internos que cursam ensino superior no presídio

Dezenas de alunos trilham um futuro promissor a partir de oportunidades de estudo geradas pela Secretaria da Ressocialização

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Oportunidades de trabalho são ampliadas com ensino ofertado no cárcere Oportunidades de trabalho são ampliadas com ensino ofertado no cárcere Jorge Santos
Texto de Mayara Wasty

No Complexo Penitenciário, a Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris) tem possibilitado aos internos o acesso à educação superior, preparando-os para o retorno à sociedade com conhecimento diferenciado.

 

Os cursos superiores abrangem as mais diversas áreas de conhecimento e são ofertados pela modalidade à distância. Atualmente, mais de 20 alunos oriundos dos presídios Baldomero Cavalcanti e Núcleo Ressocializador, em Maceió, e Presídio do Agreste, em Girau do Ponciano.

 

Os alunos estão matriculados nos cursos de Administração, História, Ciências Contábeis, Geografia, Letras, Gestão em Recursos Humanos, Gestão Comercial e Tecnologia da Informação. A supervisora de Educação, agente penitenciária Genizete Tavares, destaca o interesse pelo aprendizado.

 

Oportunidades de trabalho são ampliadas com ensino ofertado no cárcere (Jorge Santos)

“Esse crescimento vem acontecendo devido a diretiva da Secretaria da Ressocialização de impulsionar a educação no sistema prisional e mudar a vida dos internos com bons valores sociais. Sempre conversamos com os reeducandos sobre a importância da educação dentro e fora daqui”, salienta.

 

A agente penitenciária destaca também as oportunidades profissionais. “O mercado de trabalho está cada vez mais exigente e os apenados sabem disso. A qualificação profissional é um fator determinante para quem almeja sucesso. Com educação as oportunidades multiplicam”.

 

A visão da gerente é compactuada pelo chefe do Presídio do Agreste, agente penitenciário Alexsandro Luz. “A educação quebra barreiras. Por isso, buscamos melhores condições para o interno superar o estigma do pós-cárcere e manter a esperança para construir um futuro digno, promissor”, finaliza.