Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Quinta, 19 Abril 2018 18:16
19 DE ABRIL

Comunidade Escolar Wassu-Cocal promove cultura e resgate às tradições

Evento recebeu visita de alunos da rede municipal e celebrou identidade indígena

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Estudantes conheceram tradições do povo Wassu Cocal Estudantes conheceram tradições do povo Wassu Cocal (Foto: José Demétrio)
Texto de Manuella Nobre

Um misto de sentimentos marcou o dia da resistência indígena na comunidade Wassu-Cocal, na localidade de Pedrinhas, em Joaquim Gomes, nesta quinta-feira (19). Ainda enlutados pela perda da liderança Geová José Honório da Silva, ocorrida em novembro passado, eles abriram as suas portas para festejar e manter viva a fé, a cultura e as tradições da comunidade.

 

José Demétrio

 

“A gente fica pela metade, pela perda de um guerreiro. O valor que ele tinha para nosso povo era muito grande a agradeço-o por ter confiado a mim esta missão. Muitos pensam que este dia é só de lazer, mas é um dia de dar graças a Deus, de lutar pelos nossos direitos e afirmar a nossa resistência”, declara o cacique sucessor Edmilson José da Silva.

 

Como manda a tradição, os índios abriram o dia com o toré, seguido da missa e batizados, mais danças e exposição das produções dos alunos da Escola Estadual Manoel Honório.

 

José Demétrio

 

O evento foi prestigiado por estudantes da rede municipal de Flexeiras, lideranças indígenas e membros da Wassu, inclusive das outras três escolas estaduais daquela comunidade: José Manoel de Souza, Marlene Marques dos Santos e José Máximo de Oliveira. Juntas, as quatro unidades atendem mais de 700 alunos da educação infantil ao ensino médio.

 

Feira de resgates

 

Um dos pontos de destaque foi a feira de cultura indígena, que resgata a história e tradição do povo Wassu. De acordo com a diretora Rosineide Santos, seis temáticas foram trabalhadas: lendas indígenas, pinturas, comidas típicas, ervas medicinais, brinquedos e brincadeiras e meio ambiente.

 

José Demétrio

 

“A gente trabalha o ano inteiro a cultura indígena, todas as sextas-feiras, com temas específicos,  e escolhemos estes seis trabalhos para expor”, explica Rosineide.

 

Em cada temática, eles destacam pontos essenciais e os costumes de seus ancestrais. Nas ervas medicinais, ensinam a produção de xaropes, inseticidas, pomadas, geleias e sabonetes. No meio ambiente, a importância de preservar rios e floresta local, inclusive com o replantio de mudas de espécies nativas em áreas desmatadas, receitas com ingredientes e preparos estudados em sala de aula, onde têm os pais como ‘biblioteca viva’, produzindo bolo de macaxeira, banana ou jaca verde com galinha de capoeira, aruá de coco. Nos brinquedos e brincadeiras dos antepassados, a peteca ganhou destaque entre os visitantes.

 

Aluna da rede municipal de Flexeiras, Laysa Santos da Silva aprovou a experiência. “Foi muito bom. Não conhecia a cultura indígena e nunca tinha brincado de peteca antes. Gostei demais”, afirmou a garota.