Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas

 

 

×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 1003

Quarta, 06 Janeiro 2016 17:30

Indústria química deve fortalecer cadeias produtivas em Alagoas

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
BRH Indústria e Comércio de Produtos é mais uma empresa que vem para somar e fortalecer a cadeia produtiva da química e do plástico de Alagoas BRH Indústria e Comércio de Produtos é mais uma empresa que vem para somar e fortalecer a cadeia produtiva da química e do plástico de Alagoas Márcio Ferreira

A diversidade na atração de novas indústrias marca o início do ano com o fomento da cadeia produtiva da química e do plástico. Nesta quarta-feira (6), o governador de Alagoas, Renan Filho, e a secretária de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo, Jeanine Pires, lançaram a pedra fundamental da empresa BHR Indústria e Comércio de Produtos, que vai se instalar no Polo Multifabril José Aprígio Vilela, em Marechal Deodoro.

Para a secretária Jeanine Pires, a instalação da BHR Indústria e Comércio de Produtos é muito importante para juntar e complementar o rol de empresas do segmento químico que se instalam em Alagoas.

“Esta é mais uma empresa que vem para somar e fortalecer a cadeia produtiva da química e do plástico. A empresa recebeu incentivos locacionais, fiscais e creditícios, aprovados pelo Conedes e vai gerar 75 empregos diretos, com investimento de R$ 25 milhões”, explicou.

A empresa é a única fabricante no Brasil de Sulfeto de Sódio e produzirá matéria-prima base para outras indústrias do segmento químico, como a Braskem. A unidade em Alagoas vai fabricar, ainda, Sulfeto de Sódio em Escamas, Carbonato de Cálcio, Bicarbonato de Sódio e Sulfato de Magnésio Mono Hidrato. Eles deverão atender a demanda das regiões Nordeste e Sudeste.

O sócio da empresa falou com muita confiança no sucesso do empreendimento. “Vamos iniciar nossas operações no final deste ano, com uma previsão de crescimento em curto prazo. A instalação da nossa empresa em Alagoas só foi possível devido ao excelente acesso ao Governo do Estado e incentivos que foram concedidos para que viabilizasse a nossa vinda”, destacou o sócio-proprietário da empresa, Alejandro Hita.

A previsão para o início das operações fabris é produzir 14.217 toneladas, para até o quinto ano chegar à fabricação de 28.433 toneladas de substâncias químicas.

Mirella Costa