Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Quarta, 11 Outubro 2017 12:04
CONTROLE DE BEBIDAS

Campanha promove ações de prevenção ao uso de bebidas alcoólicas em Inhapi

Fiscais da Seprev realizaram mobilização e sensibilização nas ruas, praças, bares, mercados, restaurantes e escolas

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Equipes fizeram palestras sobre malefícios do álcool para 111 estudantes da Escola Municipal de Educação Básica Celso Malta Brandão, em Inhapi Equipes fizeram palestras sobre malefícios do álcool para 111 estudantes da Escola Municipal de Educação Básica Celso Malta Brandão, em Inhapi Ascom
Texto de Daniel Dabasi

Técnicos da Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev) promoveram na terça-feira (10), no município de Inhapi, Sertão alagoano, ações de prevenção ao consumo de bebidas alcoólicas por crianças e adolescentes. A série de atividades beneficiou mais de 200 pessoas na região. 

 


A iniciativa faz parte da Campanha de Controle de Bebidas Alcoólicas para Crianças e Adolescentes, cujo intuito é disseminar o que preconiza a lei que proíbe a venda, a oferta, o fornecimento e a permissão de ingestão de bebidas alcoólicas por crianças e adolescentes.

 


As equipes realizaram palestras sobre os malefícios do álcool para 111 estudantes da Escola Municipal de Educação Básica Celso Malta Brandão e para mais 126 estudantes da Escola de Educação Básica Nossa Senhora da Conceição.

 


Os técnicos promoveram ainda mobilização e sensibilização nas ruas, praças, bares, mercados e restaurantes. O objetivo é orientar os comerciantes sobre a legislação, que vale também para eventos. Segundo a legislação, é obrigatório pedir documento de identificação para realizar a venda ou deixar que o produto seja consumido no local.

 


A medida visa evitar que adolescentes tenham acesso a bebidas alcoólicas. Os estabelecimentos que descumprirem a lei podem receber advertência, seguida de pagamento de multa ou até a interdição do local. Já os empresários e os responsáveis pelos adolescentes, podem pegar de dois a quatro anos de prisão.