Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas

 

 

×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 1003

Terça, 05 Janeiro 2016 19:03

Agricultores familiares vão ganhar 540 máquinas forrageiras

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Entrega faz parte de uma chamada pública em que a Carpil foi vencedora e contempla produtores rurais assentados pelo Programa Nacional de Crédito Fundiário Entrega faz parte de uma chamada pública em que a Carpil foi vencedora e contempla produtores rurais assentados pelo Programa Nacional de Crédito Fundiário Pollyanne Costa

O Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas (Iteral), a Cooperativa Agropecuária de Palmeira dos Índios (Carpil) e a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) entregarão, neste mês de janeiro, 540 máquinas forrageiras a agricultores familiares de Alagoas.

 

A entrega faz parte de uma chamada pública em que a Carpil foi vencedora e contempla produtores rurais assentados pelo Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF) que participaram da chamada, criam animais, dispõem de energia elétrica e recebem assistência técnica.

 

Trezentas famílias que vivem em assentamentos na região de atuação da Codevasf em Alagoas receberão a máquina neste mês de janeiro. Outras 240 famílias beneficiárias do PNCF na região da Zona da Mata alagoana também receberão o equipamento.

 

Para o diretor-presidente do Iteral, Jaime Silva, a forrageira é de grande importância para o produtor rural. “A máquina é útil para o agricultor, que precisa dela no dia a dia para os trabalhos no campo, então essa parceria entre Iteral, Carpil e Codevasf viabilizou essas máquinas aos agricultores”, afirmou Jaime Silva.

 

Já o presidente da Carpil vê na entrega da máquina uma forma de evitar o êxodo rural. “Dar condições para o agricultor trabalhar e se manter no campo é fundamental para evitar o êxodo rural, que gera desemprego na cidade, então nossa função também é a de garantir que o agricultor tenha equipamentos adequados de trabalho”, disse Luciano Monteiro. 

 

Pollyanne Costa