Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Terça, 12 Setembro 2017 18:53
LEITURA TRANSFORMADORA

'Lêberdade' inicia quarto ciclo de trabalhos em presídio feminino

Adesão é cada vez maior na unidade Santa Luzia; acesso ao conhecimento é impulsionado com a leitura

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
A cada fim de ciclo, as reeducadas podem manifestar interesse em continuar no processo A cada fim de ciclo, as reeducadas podem manifestar interesse em continuar no processo Foto: Jorge Santos
Texto de Mayara Wasty

Possibilitar o acesso à educação no cárcere é um trabalho permanente da Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris). Através da leitura, as reeducandas ampliam o conhecimento e renovam as perspectivas de liberdade. Essa prática é fomentada pelo Lêberdade, lançado em abril deste ano, em parceria com a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e o Poder Judiciário, o projeto assegura a remição da pena por meio da leitura.

 

O projeto iniciou seu quarto ciclo de trabalho no dia 30 de agosto, com 41 adesões, firmando-se como uma ferramenta ressocializadora eficaz. Vale ressaltar que a adesão ao Lêberdade é voluntária. A cada fim de ciclo, as reeducandas podem manifestar interesse em continuar no processo. A supervisora de Educação, agente penitenciária Genizete Tavares, explica que a adesão ao projeto segue firme entre as reeducandas do Presídio Santa Luzia.

 

“Iniciamos os trabalhos com 36 adesões e ao final do primeiro ciclo, tivemos 28 reeducandas aptas a remição de pena. No segundo ciclo, conseguimos 35 adesões e 29 internas foram aprovadas. Já no ciclo seguinte de trabalho, 38 reeducandas aderiram ao projeto e todas foram aprovadas. O resultado mostra uma evolução nos resultados”, comenta Genizete Tavares.

 

No Lêberdade, cada reeducando pode ler um livro por mês, a fim de obter remição de parte de sua pena. A pena pode ser remida em até 48 dias por ano, caso seja optada a leitura de 12 títulos previstos nos critérios legais do projeto.

 

“Em dezembro faremos um balanço das ações para decidir os próximos passos, qual ou quais presídios serão atendidos em 2018. O projeto é um caminho que leva a descobertas e conhecimentos, promovendo o crescimento interior, além de fomentar o hábito da leitura, a continuidade da escolarização e a promoção da educação”, finaliza a agente penitenciária.