Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Sábado, 09 Setembro 2017 12:26
HÁBITO SAUDÁVEL

Nutricionista recomenda aumento da ingestão de frutas e verduras na adolescência

Pesquisa revela que rejeição das frutas aumenta risco de doenças cardiovasculares

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Nutricionista Ivete Oliveira alerta para a "dieta do modismo", que aponta os industrializados como forma de status Nutricionista Ivete Oliveira alerta para a "dieta do modismo", que aponta os industrializados como forma de status Thallysson Alves e Beatriz Torres
Texto de Thallysson Alves

Nada de frutas e muitos biscoitos, pães e sobremesas. De saudável mesmo só o almoço, com aquela típica mistura de feijão, arroz, carne ou frango e um suco cítrico. Lembra o prato de alguém? Praticamente todos os adolescentes brasileiros comem assim, segundo pesquisa do Ministério da Saúde (MS) e reafirmada pela equipe de nutricionistas do Hospital Geral do Estado (HGE).

 

Esse péssimo hábito alimentar não é novidade, porém é preocupante. Isso porque, é na adolescência que o corpo está ainda mais em desenvolvimento e crescimento. Fato que o faz necessitar principalmente de reserva energética (carboidratos), construtores (proteínas), reguladores (minerais e vitaminas) e controladores (fibras).

 

Mas você acha que os adolescentes estão preocupados? O estudante João Victor Castro, 15 anos, responde que não. Apesar de praticar esportes, ele é direto na resposta: “Prefiro biscoitos e cereais, porque o sabor é melhor que o da fruta. Legumes e verduras dependem de qual é. O suco também depende do que está acompanhando”.

 

 

Ele não recordou, mas a nutricionista do HGE Ivete Oliveira acrescenta que a dieta ainda depende do local que será consumida. “É a dieta do modismo, que aponta os industrializados como forma de status. Na escola, muitos deles têm vergonha de levar uma fruta. É mais legal mostrar que tem dinheiro para comprar na cantina uma coxinha e um copo de refrigerante, por exemplo. E assim permanece todas as vezes que eles estão ‘com a galera’”, argumenta.

 

De acordo com ela, “é um problema cultural e falta de informação na sociedade, até porque a própria mídia estimula a comermos sanduíches, pizzas; alimentos com muito sal, ou doce. E nesses estabelecimentos já encontramos vários sabores de maionese, mostarda e catchup. Até a salada de frutas, que poderia ser uma saborosa solução para a inclusão das frutas no cardápio, está encharca de leite condensado”, diz Ivete Oliveira.

 

Estudos

O Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (Erica) foi uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que ouviu adolescentes entre 12 e 17 anos de 1.247 escolas, distribuídas em 124 municípios brasileiros. Ele revela os graves riscos dos futuros adultos sofrerem de anemia, hipercolesterolemia, hiperlipidemias, diabetes, hipertensão, obesidade e problemas renais.

 

Para reverter o problema, o Ministério da Saúde estuda novos protocolos para estimular a alimentação saudável. A primeira diretriz já foi lançada e visa ampliar a oferta de refeições saudáveis e veta a venda, promoção e publicidade de alimentos industrializados nas unidades da pasta. E o ministro da Saúde, Ricardo Barros, já informou que irá levar ao Congresso Nacional uma proposta para regulamentar a comercialização e publicidade de alimentos e bebidas industrializados em escolas públicas e privadas.