Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Terça, 16 Maio 2017 15:15
ARMAS, NEM DE BRINQUEDO

Crianças do Carminha são orientadas sobre uso de armas de brinquedos

Campanha será levada para os seis territórios mais vulneráveis da capital até setembro

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Crianças participaram de atividades lúdicas e, por meio de textos e desenhos, foram orientadas sobre a importância das brincadeiras saudáveis sem o uso de armas  de brinquedo Crianças participaram de atividades lúdicas e, por meio de textos e desenhos, foram orientadas sobre a importância das brincadeiras saudáveis sem o uso de armas de brinquedo (Fotos: Ascom/Seprev)
Texto de Daniel Dabasi

A Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev) deu início, nesta terça-feira (16), à campanha de Conscientização Sobre o Uso de Armas de Brinquedo. O projeto, que tem como tema 'Armas, nem brinquedo', reuniu crianças entre 6 a 12 anos, na Casa da Cidadania, localizada no conjunto Carminha, no complexo do Benedito Bentes. A ideia é sensibilizar o público infantil para evitar o uso armas de brinquedo.

 

Segundo o psicólogo da gerência de Prevenção à Violência, Henrique Jonathan, nesta fase da vida as crianças espelham ações que serão refletidas no futuro. “É importante mostrar que as crianças podem se divertir sem estimular a violência por meio desses brinquedos. As brincadeiras fazem parte da construção da personalidade da criança e isso reflete em ações futuras”, explicou o psicólogo.

 

A iniciativa será levada para os seis territórios vulneráveis da capital levantados por meio de estudos do Observatório da Violência da Seprev, que são formados pelo Benedito Bentes, Jacintinho, Cidade Universitária, Clima Bom, Tabuleiro dos Martins e Vergel do Lago.

 

 

As crianças participaram de atividades lúdicas sobre a temática e, por meio de textos e desenhos, discutiram a importância das brincadeiras saudáveis sem o uso de armas de brinquedos.

 

Jéssica Prisicila, moradora do conjunto Carminha, disse que fica feliz em receber o projeto na comunidade. “Temos que educá-los de pequeno. É melhor conscientizá-los agora, pois eles são futuro. Queremos nossos filhos longe da criminalidade e da violência. Armas, nem de brinquedo mesmo”, concluiu a dona de casa.