Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Sexta, 04 Março 2016 10:18
UMA GUERREIRA

Artesã Vânia Oliveira apresenta AL por entre as cores do tradicional chapéu de guerreiro

Mestre Patrimônio Vivo do Estado terá peças em exposição na Semana do Artesão

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Autodidata, Vânia reconheceu sozinha sua vocação e o amor pela arte e conquistou o título de Mestra Artesã e Patrimônio Vivo de Alagoas com o seu chapéu de guerreiro Autodidata, Vânia reconheceu sozinha sua vocação e o amor pela arte e conquistou o título de Mestra Artesã e Patrimônio Vivo de Alagoas com o seu chapéu de guerreiro André Palmeira
Texto de Andressa Alves

O brilho das lantejoulas e tecidos, unidos aos detalhes em espelhos, que aplicados com suavidade e delicadeza, ganham formas de igrejas e catedrais. Por último, o colorido das fitas. Ricas na diversidade de tons, giram, dançam e encantam os olhos de quem assiste, acompanhando os movimentos de quem os sustenta.

Para quem conhece as referências culturais de Alagoas, a definição acima entrega que estamos falando do tradicional chapéu de guerreiro, um dos mais importantes e conhecidos folguedos e que é símbolo da cultural local. É essa a principal inspiração utilizada por Vânia Oliveira, de 59 anos, reconhecida como Mestre Artesã e Patrimônio Vivo do Estado por reproduzir em suas peças o adereço.

"Eu gosto de valorizar a cultura popular daqui. A gente sabe que é importante mostrar aos mais novos a necessidade de aderir a esse movimento e de conhecer o que possui a cara de Alagoas. Através do artesanato, a gente consegue mostrar a riqueza que nós temos em produção”, afirma Vânia Oliveira.

 Fora dos livros

 Ao definir os folguedos, dentre eles o guerreiro que inspira Dona Vânia, Théo Brandão, o primeiro a conceituar as manifestações folclóricas, classificou como “tudo aquilo que o homem de qualquer nível social aprendeu fora dos livros, da escola e dos diversos meios de difusão cultural”. A explicação estabelece diálogo com a maneira como a artesã desenvolveu seu ofício.

 

Autodidata, Vânia reconheceu sozinha sua vocação e o amor pela arte. Segundo ela, tudo começou há 32 anos, quando tentava criar as lembranças de aniversário de sua filha. Entre um produto, o aperfeiçoamento e desejo de reproduzir a cultura local de alguma forma, a artesã tornou a confecção de peças cada vez mais elaborada, transformando-se em um dos principais nomes do artesanato alagoano.

 Como prova disso, são várias as conquistas. A última delas será exibida em rede nacional ainda este mês com a novela Velho Chico, nova trama da Rede Globo que discorre sobre aspectos da vida nordestina e ribeirinha. Na fase de gravações, realizadas no município de Piranhas, a produção do programa escolheu Dona Vânia para produzir o chapéu do guerreiro que deverá ser usado por um dos personagens.

 

Transmitindo saberes

Apesar de não ter sido instruída e considerar o dom para o artesanato algo natural, a profissional sabe da importância de repassar seus conhecimentos. Para amigos, alunos, familiares, vizinhos e a quem mais interessar, Dona Vânia está sempre disposta a mostrar, passo a passo, o que aprendeu com a vida.

“Eu gosto de repassar tudo que faço para minha arte não morrer. No dia que eu for embora, pelo menos ficam algumas sementes. E hoje eu sei que tenho sementes germinadas por aí a fora. Já passou muita, muita gente pela minha mão, que hoje já está no mercado de trabalho. Somos colegas de profissão e isso me orgulha muito”.

O reconhecimento das pessoas, aliado à tarefa de transmitir os saberes, levou Vânia Oliveira a conquistar o título de Mestra Artesã e Patrimônio Vivo de Alagoas pela Secretaria de Cultura (Secult). A artesã foi escolhida pela representatividade e pela preservação da cultura alagoana por meio do trabalho artesanal.

Indo além dessas terras, a artesã tem, ainda, o reconhecimento nacional. De acordo com ela, a participação em feiras e eventos em todo o Brasil traz resultados positivos para o artesanato de Alagoas, além de funcionar como um espaço para contatos e divulgação na comercialização dos produtos.  

 

Por amor à arte

Se os últimos anos têm resultado em tantas conquistas para Dona Vânia, o caminho até elas não foi fácil.  Falta de dinheiro para produzir as peças e pouco espaço de comercialização foram algumas das dificuldades encontradas pela artesã em sua trajetória.

Para o bem da produção artesanal de Alagoas, nenhum dos empecilhos desanima a artesã, que segue confiante, acreditando no papel transformador da arte.

 

“A gente tem um leque muito grande. O artesanato está inserido em vários segmentos sociais. A educação pode atuar em conjunto com o artesanato. Através disso, a gente pode conquistar muitos objetivos”, disse.

 

Semana do Artesão 

Para valorizar, fomentar e reconhecer esse trabalho, o Governo de Alagoas vai realizar, de 17 a 22 de março, no Memorial à República, uma semana de atividades alusivas ao Dia do Artesão.

Durante a semana, a população poderá visitar a exposição das peças com as principais tipologias do artesanato alagoano, no hall principal do Memorial, em Jaraguá, das 9h às 20h. Ainda nas atividades, serão realizadas palestras, oficinas criativas e a comercialização do artesanato no caminhão loja da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur).

Os visitantes terão, ainda, a estrutura de uma praça com os foodtrucks, no estacionamento da praça Marcílio Dias. A programação completa pode ser conferida no site da Sedetur, sedetur.al.gov.br.